NÓS DO MORRO COMEMORA 30 ANOS DE ATIVIDADES COM OCUPAÇÃO NO SESC COPACABANA

 

Selo 30 anos

 

Três décadas atrás, uma turma do Vidigal tinha o sonho conjunto de transformar a vida através da arte. Foi desse desejo comunitário que nasceu o bem-sucedido Grupo Nós do Morro, hoje referência de trabalho cultural e social na cidade. Dando continuidade às atividades que celebram essa trajetória, a companhia leva, ao Sesc Copacabana a partir de 30 de setembro, o Nós do Morro 30 anos de Arte, com dois espetáculos autorais – o inédito "Bataclã", dirigido por Fernando Mello da Costa, e "Abalou, um musical funk", com direção de Guti Fraga, ambos com dramaturgia de Luís Paulo Corrêa e Castro – e a performance poética musical "Batalha de Poesia", com organização de texto e direção de Guti Fraga.

 

O grupo também leva ao espaço da Zona Sul o Cine Nós do Morro, uma mostra de cinema com sessões voltadas para crianças e outras para adultos; a exposição Nós do Morro 30 anos, que conta a história do grupo através de fotos, maquetes de cenários e figurinos; e organiza ainda oficinas de teatro com Guti Fraga e de cinema para crianças com Luciana Bezerra e Luciano Vidigal.

 

 

O Grupo Nós do Morro celebra seus 30 anos com o patrocínio da Petrobras.

 

 

SERVIÇO

 

Ocupação: 30 de setembro a 29 de outubro de 2016.

Local: SESC Copacabana

Endereço: Rua Domingos Ferreira, 160 - Copacabana

Informações: (21) 2548-1088

 

 

BATACLÃ

 

Texto: Luis Paulo Corrêa e Castro

Direção: Fernando Mello da Costa

Temporada: 30 de setembro a 29 de outubro.

Sexta e Sábado às 20h30

Domingo às 19h

Domingo, dia 23 de outubro terão duas sessões, 16h e 19h

Sábado, dia 29 de outubro terão duas sessões, 18h e 20h30

 

 

A montagem relembra o clima do Vidigal no final dos anos 70, quando o morro recebeu diversos artistas e intelectuais que subiram suas ladeiras para morar num conjunto de prédios recém-construídos. Atores, cantores, artistas plásticos, produtores e realizadores de cinema, universitários e outras tribos da classe média – que atravessavam o período da desilusão da luta contra a ditadura militar –, se encontraram com sambistas, mulatas e demais moradores da comunidade, que ainda não tinha sido atingida pelo crescimento desordenado e pelos problemas sociais, que se agravariam nas décadas seguintes. Os dois grupos se encontravam em bares e biroscas localizados no alto do morro.

 

 

Um dos pontos de encontro, que ficou marcado na memória das novas gerações formadas a partir dessa mistura de culturas, era uma casa, localizada na parte alta da favela. No espaço, eram realizadas grandes festas, frequentadas por integrantes destas duas tribos, onde as informações e experiências eram trocadas e se experimentava uma vivência comunitária, com uma circulação intensa de jovens e adultos. Como uma república, a casa reunia moradores da favela e os artistas e intelectuais e recebeu o nome de Bataclã. Nesse lugar, romances se iniciaram e terminaram; jovens tiveram suas primeiras experiências sexuais e com um mundo que até então só conheciam no cinema e na televisão.

 

 

Personagens que entraram para a história do Vidigal e que foram a base para a formação intelectual de toda uma geração de moradores do morro passaram pelas portas do Bataclã.

 

 

 

ABALOU, UM MUSICAL FUNK

 

Texto: Luis Paulo Corrêa e Castro

Direção: Guti Fraga

Temporada: 05 a 27 de outubro.

Quartas e quintas às 20h30.

 

Maestro, estudante secundarista, fica impressionado com a efervescência do mundo do rap e do funk, em meados da década de 90, no Rio de Janeiro.  Pressionado pela necessidade de ascensão social dos jovens moradores de favela e bairros da periferia da cidade, resolve criar um novo estilo de rap, com bases sonoras inspiradas nas composições de Beethoven e letras inspiradas nas composições de Caetano Veloso. Certo de que sua ideia seria um sucesso imediato e o ajudaria a conquistar um lugar de destaque como MCs do bairro, Maestro leva sua ideia para o grande empresário Big Ben, que, de imediato, rejeita a novidade.

 

Maestro conta com alguns apoios inesperados. Três fantasmas, ex-moradores do Vidigal que, incomodados no céu com o barulho dos bailes funk, resolvem voltar à Terra para descobrir a origem daquela bagunça e vão parar no baile do Vidigal. Lá, aparece Tininha, líder de um grupo de meninas que frequentam o baile e têm nela a sua fonte inspiradora, mas não compreendem suas esquisitices. Tininha sonha em deixar a favela para morar em Copacabana e, secretamente, alimenta uma paixão não correspondida por Maestro.

 

O grupo de Tininha tem por antagonista a turma da Martinha, que são seguidoras fiéis dos MCs Pilantra e Lagartão, empresariados por Big Ben e antagonistas de Maestro. Os fantasmas Ricardo, um dono de equipes de soul dos anos 70; Eládio, frequentador assíduo das gafieiras na década de 60; e Waldemar, um dançarino e admirador dos bailes das grandes orquestras americanas das décadas de 40 e 50, começam, então, a manobrar para juntar Maestro e Tininha e, desta forma, influenciam a vida dos demais personagens do espetáculo.

 

A peça estreou em 1997, na Casa de Cultura Laura Alvim, e recebeu seis indicações ao Prêmio Coca-Cola de Teatro Jovem (melhor atriz, espetáculo, coreografia e categoria especial), das quais ganhou coreografia, cenário e categoria especial. Na montagem atual, o texto foi reescrito, considerando as circunstâncias político-sociais do Brasil, o crescimento e as novas formas de conflito e conciliação no espaço da favela.

 

 

 

BATALHA DE POESIA

 

Direção e Organização de Texto: Guti Fraga

Temporada: 11 a 25 de outubro.

Terças às 18h30.

 

 

Espetáculo performático, aberto à participação do público, em que o elenco, composto por um grupo de jovens, se reúne para conversar sobre a vida e as perspectivas de futuro, desenvolvendo uma “batalha” de ideias em forma de rap com muita música e poesia. O texto, organizado por Guti Fraga, é uma colagem de poesias de escritores brasileiros e conta, também, com intervenções musicais executadas ao vivo pelo elenco.

 

 

EXPOSIÇÃO NÓS DO MORRO 30 ANOS

 

De 4 a 29 de outubro.

 

Nesta exposição, aberta à visitação de terça a domingo, será compartilhada com o público a história dos 30 anos de existência do Grupo Nós do Morro, exposta através de livros, fotos, matérias de jornal, vídeos, música, maquetes de cenários e projetos de espetáculos. O público terá acesso ao processo de formação e consolidação do Grupo; detalhes e as curiosidades dessa história.

 

 

MOSTRA DE CURTA-METRAGEM CINE NÓS DO MORRO

 

Cine Nós do Morro para Crianças

Domingo, dia 12 de outubro

1ª sessão: 10h

2ª sessão: 15h

 

Cinco curtas-metragens, feitos para o público infantil, serão exibidos: Picolé, Pintinho e Pipa; Lá do Alto, Os Donos da Mata; A tangerina do Vidigal, A distração de Ivan. Após a exibição, será realizada a Oficina de Experimentação Cinematográfica, com brincadeiras e atividades lúdicas ligadas ao universo do cinema.

 

Cine Nós do Morro para Adultos

Quarta, dia 26 de outubro às 19h.

 

Exibição dos curtas e médias-metragens premiados do grupo: “Mina de fé”, “Picolé, pintinho e pipa”, “A distração de Ivan”, “Amanhã já é outono” e “Caixa preta”.

 

 

OFICINAS NÓS DO MORRO

 

Teatro para adolescentes

Dias 25,26 e 27 de outubro (terça, quarta e quinta)

Das 15h as 18h.

 

O objetivo é realizar uma oficina de teatro para adolescentes, com ou sem experiência, como forma de dividir e multiplicar a metodologia do aprendizado teatral desenvolvida pelo Grupo. A oficina será ministrada pelo diretor Guti Fraga e será oferecida para um grupo de 20 pessoas.

Inscrições pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. | Título do email: Oficina de Teatro

 

Oficina de experimentação cinematográfica para crianças

Domingo, dia 12 de outubro.

1ª turma: 11h

2ª turma: 16h

 

As oficinas serão ministradas pelos cineastas Luciana Bezerra e Luciano Vidigal, destinadas a todas as crianças presentes nas sessões de cinema e com o objetivo de aproximar as crianças da magia do cinema. Eles aprenderão a dinâmica das câmeras confeccionando as próprias caixas pretas e compartilhando desenhos que serão apresentados quadro a quadro, de acordo com narrativas desenvolvidas coletivamente. Cada oficina terá duração de sessenta minutos.

Inscrições pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. | Título do email: Oficina de cinema

 

 

 

 

Related Posts