´Bandeira de Retalhos´ marca presença na VIII Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo

´Bandeira de Retalhos´ marca presença na VIII Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo

De 16 a 21 de abril, mais de 100 artistas de onze companhias teatrais da América Latina e Brasil levam seus espetáculos ao Centro Cultural São Paulo, na capital paulista, durante a VIII Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo. Entre as companhias convidadas, está o Grupo Nós do Morro, que apresenta, no dia 20 de abril, às 21h, o espetáculo ´Bandeira de Retalhos´, na sala Jardel Filho. Portanto, não haverá a sessão desta terça-feira, dia 16 de abril, no Casarão do Nós do Morro. Na semana seguinte, ´Bandeira de Retalhos´ retorna ao Vidigal e cumpre temporada até 07 de maio, sempre às terças-feiras, às 21h, com entrada franca.

 

A Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo convida desde 2006 espetáculos inéditos e companhias geralmente desconhecidas do público de São Paulo, com um recorte específico da produção em grupo, voltada à pesquisa teatral e ao debate do teatro com a sociedade. Neste ano, serão seis dias de intensas atividades gratuitas com peças, demonstrações dos processos criativos das companhias, encontros sobre gestão teatral e reflexão crítica. Além do Nós do Morro, estão presentes no evento o grupo Sertão Teatro, da Paraíba, e companhias do Equador, Cuba, Argentina, entre outras. A Mostra tem realização da Cooperativa Paulista de Teatro e do Instituto Internacional de Teatro da UNESCO no Brasil (ITI- Brasil).

 

´Bandeira de Retalhos´ estreou em junho do ano passado no Teatro do Planetário, no Rio,  e fez uma minitemporada em São Paulo, em agosto. Desde novembro, a peça está em cartaz no Casarão do Nós do Morro, no Vidigal, toda terça-feira. “Nós continuamos a temporada porque este experimento de interação está sendo muito enriquecedor. Eu vejo franceses, alemães, ingleses, espanhóis que mal sabem português, assistindo emocionados. É uma história local que aconteceu em 1977, mas com uma universalidade única”, fala Guti Fraga, fundador do Grupo Nós do Morro.

 

O espetáculo é um musical 100% brasileiro, que trata de união, política e solidariedade, quando, em 1977, o governo tentou expulsar parte dos moradores do Morro do Vidigal. Eles resistiram e, com o apoio da população, de setores da Igreja Católica e da imprensa, mudaram a demografia do Rio de Janeiro para sempre. O texto e as 11 músicas são do músico, cineasta e artista plástico Sérgio Ricardo; a direção é de Guti Fraga e Fátima Domingues. Sérgio Ricardo também assina a direção musical da peça em parceria com seu filho João Gurgel, integrante do grupo e ator da peça.

 

No elenco, Alexandre Cipriano, Alexis Abrahan, Cida Costa, Cláudio Tozar, Edson Oliveira, Flávio Mariano, Francisca Damião, Jackie Brown, João Gurgel, Kizi Vaz, Lorena Baesso, Luiz Henrique Delfino, Luzinete Barbosa, Marcello Melo, Maga Cavalcante, Marília Coelho, Nino Batista, Priscilla Marinho, Renan Monteiro, Rosangela Gonçalves e Sandro Mattos.

 

‘Bandeira de Retalhos’ – Serviço:

 

Direção geral de Guti Fraga e Fátima Domingues, texto e direção musical de Sérgio Ricardo, com o grupo Nós do Morro.

 

Sinopse: Em meio ao episódio histórico de 1977, quando o governo tentou expulsar parte dos moradores do Vidigal, um casal vive sua paixão e lideranças se formam no morro para salvar os barracos da remoção.

  

Sessão na VIII Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo

Local: Centro Cultural São Paulo – Sala Jardel Filho;

Endereço: Rua Vergueiro, 1000. Vergueiro. São Paulo/SP;

20 de abril;

Domingo, às 21h;

Telefone: (11) 3397-4005

Capacidade: 335 lugares;

Classificação Indicativa: 16 anos;

Gênero: Teatro musical;

Duração: 105 minutos;

 

Temporada no Casarão do Nós do Morro

Endereço:Rua Doutor Olinto de Magalhães, 54. Vidigal. Rio de Janeiro/ RJ;

26 de fevereiro a 07 de maio (dia 16 de maio não tem sessão);

Terças-feiras, às 21h;

Telefones: 21 3874-9411 e 21 3874-9412;

Capacidade: 60 lugares;

Classificação Indicativa: 16 anos;

Gênero: Teatro musical;

Duração: 105 minutos;

Entrada Franca, com direito à passagem de chapéu no fim da peça.

 

‘Bandeira de Retalhos’ – Ficha Técnica:

 

Direção Geral: Guti Fraga e Fátima Domingues

Texto e Direção Musical: Sérgio Ricardo

Elenco: Alexandre Cipriano, Alexis Abrahan, Cida Costa, Cláudio Tozar, Danilo Batista, Edson Oliveira, Flavio Mariano, Francisca Damião, Jackie Brown, João Gurgel, Kizi Vaz, Lorena Baesso, Nino Batista, Luiz Henrique Delfino, Luzinete Barbosa, Marcello Melo, Maga Cavalcante, Marília Coelho, Priscilla Marinho, Renan Monteiro e Rosangela Gonçalves.

Direção de Movimento: Johayne Hildefonso

Direção de Arte: Rui Cortez

Direção de Produção: Zezzé Silva

Iluminação: Márcia Francisco

Figurinos: Pedro Sayad e Tita Nunes

Supervisão Dramatúrgica: Luiz Paulo Correa e Castro

Direção vocal e Canto: Tiago Barbosa

Co-direção Musical: João Gurgel

Preparação Rítmica: Wellington Soares

Preparação Vocal: Leila Mendes. Isabel Schumann e Roberta Bahia

Assessoria de Imprensa: PAGU Comunicação

Fotos: Ricardo Gama

  

Programação VIII Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo:

 

16 de abril – terça-feira, 20h, Sala Jardel Filho do Centro Cultural São Paulo (CCSP) – 324 lugares

´Karaokê La orquestra vacía´ – El Muégano Teatro (Equador/Guaiaquil)

Duração: 70 min

Classificação: 14 anos

Sinopse: ´Karaoke Orquesta Vacía´ traz uma orquestra anacrônica, assediada por fantasmas, que saca as “sagradas notas do hino nacional, a família, a propriedade privada e o amor, num território vagamente definido”, uma cidade-estado desenhada sob os critérios da diversão, adequação e competição selvagem.

  

17 de abril – quarta-feira, 11h, Passarela da Estação Vergueiro do Metrô – ao ar livre

´A Folia no Terreiro de Seu Mané Pacaru´ - Mamulengo da Folia (Brasil/São Paulo-SP)

Duração: 51 min

Classificação: Livre

Sinopse: Em ´A Folia no Terreiro de Seu Mané Pacaru´, o personagem que dá nome a peça, celebra o casamento de sua filha Marieta com o vaqueiro Benedito. Para o acontecimento, uma grande festa será realizada. Eis, no entanto, que um conflito surge: o “coisa ruim”, o “fut” – como é chamado o diabo – invade a festa, impedindo o casamento e obrigando Marieta a casar-se com ele.

 

17 de abril – quarta-feira, 21h, Sala Ademar Guerra (CCSP) – 200 lugares

´Coraje II – Cia Taller de Otra Cosa´ (San Juan/ Porto Rico)

Duração: 60 min

Classificação: 16 anos

Sinopse: ´Coraje II´ explora o tema da violência urbana em um país sem uma guerra declarada, mas seus cidadãos vivem submersos na paranóia gerada pela indústria da segurança que produz uma cultura que encobre a memória reprimida de uma nação militarizada envolvido em múltiplas guerras.

 

17 de abril, quarta-feira, 21h, Sala Adoniran Barbosa (CCSP) – 300 lugares

´Flor de Macambira´ - Coletivo Teatral SerTão Teatro (Brasil/João Pessoa-PB)

Duração: 80 min

Classificação: 12 anos

Sinopse: A peça é uma festa popular com música, comicidade e cor que conta a história da jovem Catirina, “a mais bela flor da Fazenda Macambira”, que para salvar a si e a seu amado mergulha nas profundezas de sua alma. Tipos do cotidiano brasileiro como o Coronel sanguinário, o padre mercantilista, o banqueiro especulador e marqueteiro enganador são trazidos para o palco nessa trama do sertão brasileiro.

 

18 de abril – quinta-feira, 21h, Sala Ademar Guerra (CCSP) – 200 lugares

´Os ancestrais´ – Teatro Invertido (Brasil – Belo Horizonte/MG)

Duração: 80 min

Classificação: 16 anos

Sinopse: A montagem parte de uma situação fantástica para abordar temas como os laços familiares e a noção de propriedade da terra no Brasil. Sob a perspectiva da afetividade, a história trata das contradições dos relacionamentos, dos desejos que permeiam essa convivência. Sob a perspectiva social, reflete o fato de que no Brasil ainda não há uma política justa no que diz respeito à propriedade da terra, o fato de que a noção desse direito é resultado da história de um país colonizado, invadido e desigual.

 

18 de abril – quinta-feira, 21h, Sala Jardel Filho (CCSP) – 324 lugares

´Halcon de Oro- Q´orihuama´  - Centro de Experimentación Escénica – CEXES (Peru/Lima).

Duração: 70 min

Classificação: 14 anos

Sinopse: Levando a ação cênica para as fronteiras entre teatro, dança e pantomima, o grupo peruano se nutre de tudo o que possa estimular os sentidos e gerar sensações no espectador. Rodolfo Rodríguez e Alfredo Alarcón apresentam a história de um ex-combatente, recluso no manicômio em tempos sombrios. Sua relação com um sacerdote andino o levará, no entanto, a caminho de novas provações, a fim de se curar.

  

19 de abril, sexta-feira, 21h, Sala Ademar Guerra (CCSP).

´Cara de Cuero´ - Compañía Teatro Rabia (Chile/Santiago)

Duração: 60 min

Classificação: 16 anos

Sinopse: No texto do alemão Helmut Krausser, baseado em fatos reais, em 1987, a polícia de Munique matou a tiros, e por engano, Werner Bloy, a quem Krausser dedica sua obra. ´Cara de Cuero´ é uma reflexão sobre a violência, o Estado, o papel da polícia na sociedade atual, utilizando como referência o personagem homônimo do filme The Texas Chainsaw Massacre (1974), de Tobe Hooper.

  

19 de abril, sexta-feira, 21h, Sala Jardel Filho (CCSP) – 324 lugares

´Alonso y Aguirre ¡perdidos en el Inframundo!´ - Compañía Nacional de Fósforos (Argentina/Buenos Aires)

Duração: 60 min

Classificação: 12 anos

Sinopse: A peça decorre sob o tempo histórico de Carlos V, mandatário do enorme império romano-germânico, no século XVI. Nessa época têm início as explorações de Alonso e Aguirre, “dois heróis formidáveis ou dois imbecis”, responsáveis por lançar um novo olhar – às vezes absurdo – sobre a conquista da América, também passada pelo crivo hollywoodiano.  Estreado em Lima, em 2010, o espetáculo é uma incursão nos pântanos da história, da identidade e da memória que retorna sempre para enredar-se sobre si mesma.

  

20 de abril, sábado, 21h, Sala Ademar Guerra (CCSP) – 200 lugares

´Talco – Un drama de tocador´ - Argos Teatro (Cuba/Havana)

Duração: 75 min

Classificação: 16 anos

Sinopse: A peça é vencedora do Primeiro Prêmio Cubano-Alemão de Peças Teatrais 2009. Em um velho cinema de Havana, os personagens Javi, Mashenka, Zuleydi e Álvaro se encontram para recriar um universo fechado de relações marcadas pela marginalidade e interesses diversos. Um submundo de violência que jaz, muitas vezes, oculto, mas presente na realidade atual.

 

20 de abril, sábado, 21h, Sala Jardel Filho (CCSP) – 324 lugares

´Bandeira de Retalhos´ - Grupo Nós do Morro (Brasil/Rio de Janeiro)

Duração: 80 min

Classificação: 14 anos

Sinopse: A peça ficciona o episódio histórico de 1977, quando o governo tentou expulsar parte dos moradores do Vidigal. Eles resistiram e, com o apoio da população, de setores da igreja católica e da imprensa, mudaram a demografia do Rio de Janeiro. Originalmente um roteiro cinematográfico, escrito em 1979, o texto é inspirado na própria experiência do autor, Sérgio Ricardo, que se mudou para o Vidigal em meados daquela década.

 

21 de abril, domingo, 18h, Sala Jardel Filho (CCSP)– 324 lugares

´Salmo 91´ - Ateliê Voador Companhia de Teatro (Brasil/Salvador)

Duração: 120 min

Classificação: 16 anos

Sinopse: Segunda montagem brasileira do texto do dramaturgo Dib Carneiro Neto, que com ele venceu o Prêmio Shell 2008, ´Salmo 91´ conta a história de dez detentos sob o pano de fundo do massacre no presídio de Carandiru, onde 111 presos foram mortos pela polícia militar, em 1992. A peça não é um relato realista do massacre e foca na perspectiva do preso sobre a vida marginal.

  

Maiores informações no site da Mostra: http://www.mostralatinoamericana.com.br/

  

Retirada de ingressos:

A partir das 16h do dia do espetáculo.

(limitado a 2 ingressos por pessoa por espetáculo)

Entrada franca

 

Centro Cultural São Paulo

Rua Vergueiro, 1000.

Tel: 3397 4005

 www.centrocultural.sp.gov.br

Related Posts